Brasileira! – Parte 6 | Japão

tokyo_asakusa_kaminarimon_templosensoji_japao

O lindo Portão Kaminarimon, do templo Senso-ji, em Asakusa, Tokyo, onde se passou boa parte deste capítulo da saga (foto: Tatiana Maebuchi)

Passei por mais um capítulo da saga “Brasileira”. Desta vez, no Japão.

Japonês ou inglês?

Nos primeiros dias de viagem lá, não me sentia no meu “habitat”. A impressão que tinha era de estar num grande e aberto Bunkyo (“Bunka kyokan”, “centro de cultura” em português). Isso porque a experiência que tive de estar cercada de japoneses foi assim.

No começo, era natural que a maioria dos japoneses achasse que eu fosse japonesa também. Por isso, falavam comigo em japonês. Ficava desesperada, porque falavam muito rápido e não entendia nada. Quando não perguntavam algo, era um alívio, porque só sinalizava com a cabeça que OK ou dizia “hai” (“sim”) pra pessoa prosseguir com o diálogo (quase monólogo) ou simplesmente ignorava a “verborragia”. A tensão era grande (ou ainda maior) quando surgia uma pergunta e não entendia. Claro que dizia com jeitinho que não entendo muito japonês e as pessoas, algumas não tão gentilmente, tentavam falar mais devagar ou reformular a frase.

Em alguns casos, logo percebiam que eu era estrangeira, porque algumas vezes eu gaguejava, e já se comunicavam em inglês comigo. Mas isso em poucos lugares bem turísticos, porque ainda a grande maioria dos nipônicos não fala inglês, até entendem, mas não conseguem conversar (no caso, responder).

» Descubra curiosidades sobre as estações de trem do Japão!

Sim, japonês!

Passado um mês ou mais no Japão, pensei que seria melhor tentar compreender o que as pessoas falavam, sem se preocupar demais se parecia rápido demais. Daí, percebi que era possível entender, mesmo que fosse por palavras-chave e pelo contexto da conversa. E comecei a ficar feliz comigo mesma, porque acabava de dar um passo à frente no aprendizado.

Assim, me senti à vontade para conversar, mesmo que o básico. Pessoas do comércio me perguntavam de onde era e ficavam surpresas em saber que sou brasileira. Alguns diziam que meu país é longe. E muitos disseram que sou jyouzu (“habilidoso”) no japonês. Como sei que dois anos de estudo é pouco para se virar, agradecia o elogio e dizia que preciso me esforçar para aprender mais (“ganbarimasu!”, ou seja, “vou me esforçar”).

Na realidade, no geral, era mais difícil tentar se comunicar em inglês, porque conseguia me expressar bem, mas os japoneses não conseguiam responder no mesmo idioma. Não adiantava muito. Me via apenas com a possibilidade de usar o conhecimento básico de japonês, o que realmente funcionava. Além disso, percebi que os japoneses se sentiam muito mais confortáveis em falar a própria língua (assim como qualquer um), inclusive em conversas com meus amigos não descendentes. Até parecia que quando a interação já era iniciada em inglês, eles se sentiam ofendidos ou algo assim.

Japonesa, chinesa…?

O que continua sendo um mistério é ainda pensarem que sou – ou poderia ser – chinesa. Pra mim, pelo menos, tenho cara de brasileira ou de, no máximo, japonesa. Em Okinawa, era até comum encontrar pessoas que falavam chinês. É verdade que lá existem muitos turistas sino descendentes. Talvez por isso deduzissem que eu também poderia ser mais um deles.

Por um lado, faz sentido pensar que sou japonesa. Tenho fisionomia de uma – e me vestia como uma. Mas algo que pode ser um detalhe pra maioria é justamente o que faz toda a diferença. O jeito de agir e os gestos. Se alguém for me comparar com uma nativa, logo verá que sou diferente dela e, portanto, não sou japonesa.

Para mim, o que falta não só aos japoneses, mas para as pessoas em geral, é ter este tato, ter uma etapa para se fazer esta análise e, assim, ter mais informações para se deduzir a nacionalidade de um indivíduo, além de se ter a oportunidade de se aprender sobre as diferenças de culturas que muitas vezes ficam nas entrelinhas.

» Leia no blog a saga completa e outros relatos de viagem!

Texto adaptado e originalmente publicado em meu blog pessoal Reflexões Poéticas

3, 2, 1… Viajando! na rede

YouTube – 321Viajando
Facebook – blog321Viajando
Instagram – @321_viajando
Twitter – @321_Viajando

2 comentários sobre “Brasileira! – Parte 6 | Japão

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s